Nova etiqueta energética de produtos

Como divulgámos oportunamente, em março de 2019 foram publicados vários Regulamentos, que complementam, executam ou revogam outros respeitantes à etiquetagem energética e aos requisitos de conceção ecológica dos eletrodomésticos e outros produtos/máquinas/aparelhos, com vista à melhoria da poupança e eficiência energéticas, visando igualmente tornar mais clara a informação disponível na etiqueta energética, que reviu e otimizou, tendo regressado à escala de A a G e pondo termo às classes A+, A++ e A+++.

A nova etiqueta energética em exibição a partir de 1 de março de 2021 abrange os aparelhos de refrigeração (frigoríficos, congeladores, aparelhos de armazenagem de vinho), máquinas de lavar loiça, máquinas de lavar roupa e de lavar e secar roupa e ecrãs eletrónicos (televisores, monitores e ecrãs de sinalização digitais), aplicando-se às fontes de luz (lâmpadas) a partir de 1 de setembro de 2021. E para além da nova escala de classes, de A a G, passa a incluir o Código QR, que permite o acesso à informação técnica, etiqueta energética e ficha do produto existentes na Base de Dados de Produtos Europeia, EPREL.

Apesar de faltar ainda algum tempo, alguns fornecedores, para salvaguardar a distribuição atempada da nova etiqueta energética, estão já a incluir na embalagem dos seus produtos a nova etiqueta, em adição à atual (obrigatório, aliás, a partir de 1 de novembro de 2020).

É, pois, natural que retalhistas e consumidores possam encontrar duas etiquetas dentro da embalagem do novo produto. Estas etiquetas diferem em formato e grafismo, mas também nas metodologias de cálculo das classes energéticas dos produtos, sendo as metodologias da nova etiqueta mais exigentes. Como tal, as classes energéticas apresentadas numa e noutra etiqueta são diferentes, sendo expectável que a nova etiqueta energética apresente uma classe de eficiência inferior.

Numa primeira fase as classes mais elevadas da escala, A ou A e B, consoante os produtos, não serão atribuídas, para dar espaço à gradual evolução tecnológica dos produtos e para evitar que se repita a situação atualmente existente em alguns produtos etiquetados em que as classes de A a A+++ se encontram «sobrelotadas».

Visando preparar as empresas e informar o consumidor desta situação, a ADENE e os parceiros do projeto BELT elaboraram um folheto para ser disponibilizado aos distribuidores e consumidores que adquiram os eletrodomésticos supra referidos.

O folheto pode ser consultado aqui, ou em www.novaetiquetaenergetica.pt, onde distribuidor e consumidor também encontram mais informação sobre o tema.