Boletim Materiais de Construção nº 412

Boletim Materiais de Construção nº 412

PDF || Versão Completa

Publicações Anteriores

O valor da confiança e o preço da incerteza…

À medida que os dias passam, agravam-se as preocupações dos agentes económicos sobre o futuro próximo da economia e crescem as dúvidas sobre o desenlace da situação política.

As pessoas e as empresas precisam de referencias de estabilidade para tomarem as decisões relevantes de consumo, investimento e poupança. Quando os cenários se apresentam mal definidos ou as probabilidades de alteração significativa são elevadas, umas e outras adiam, retraem-se ou refugiam-se em posições que lhes conferem maior segurança. Os mercados, naturalmente, sofrem e perdem dinamismo.

Mesmo quando a mudança pode ser para melhor, a maioria espera para ver.

No nosso setor, aquilo que tem feito tocar os alarmes foram, sobretudo, a subida das taxas de juro e as dificuldades no crédito à habitação, os custos de construção e os preços elevados das habitações e das rendas, e, sobretudo, as mensagens e as medidas erradas que se têm sucedido do lado da governação nesta área tão sensível.

Exatamente por causa destas últimas, os grandes investidores estrangeiros desinteressaram-se do mercado português e estão a focar-se noutras alternativas, nomeadamente, na vizinha Espanha, particularmente em Madrid. Para já, não há problema de maior, porque a carteira em desenvolvimento em Portugal é significativa, com muitos projetos que ainda não arrancaram. Se as condições melhorarem a partir de março do próximo ano e esses investidores regressarem, nem iremos sentir.

Nos próximos três anos, diríamos que as carteiras de trabalhos existentes, quer de promoção privada, quer de promoção pública, bem como a insuficiência da oferta que é patente, agravada por um contexto de aumento da imigração, irão assegurar uma evolução positiva do setor, ainda que tenhamos que admitir que, no global, o crescimento não deverá exceder os 2% anuais.

Naturalmente, estamos num período em que os agentes económicos estão particularmente ansiosos, hipersensíveis às notícias negativas e os respetivos comportamentos futuros são difíceis de prever e a verdade é que o medo pode prejudicar mais do que os factos.

Um exemplo disso é a recente “parangona” com a notícia de que o licenciamento de obras caiu mais de 11% até setembro deste ano. É verdade, mas… Não se deu qualquer destaque a que número de fogos licenciados em construção nova para habitação aumentou, bem como a área licenciada para construção, seja para habitação, seja para outros fins. E também não se disse que as obras públicas lançadas e contratadas cresceram a dois dígitos.

Devemos estar atentos, mas serenos. Até porque às vezes as maiores ameaças surgem de outras coisas de que ninguém estava à espera… Até de dentro do nosso processo de negócio!

Boletim Materiais de Construção nº 412

PDF || Versão Completa

Publicações Anteriores

 

 

Partilhar: