Roca Group coloca em funcionamento o primeiro forno túnel elétrico

O Roca Group, líder mundial em design, produção e comercialização de produtos para o espaço de banho, investe no primeiro forno túnel elétrico do mundo para produção de louça sanitária.  Num esforço para descarbonizar a sua produção[1], intensiva em energia e carbono, a empresa deu este passo decisivo no sentido da eletrificação dos seus processos de produção na sua fábrica da Laufen, em Gmunden (Áustria), graças à tecnologia de ponta da Keramischer OFENBAU, líder tecnológico mundial no fabrico de fornos para a indústria cerâmica.

O fabricante alemão de fornos conta com mais de 25 anos dedicados à inovação sustentável e é líder no mercado de fornos para a indústria eficientes do ponto de vista energético, o que o torna no parceiro ideal para o projeto de descarbonização do Roca Group. Após quatro anos de desenvolvimento, o primeiro forno túnel elétrico para o fabrico de louça sanitária deu início, de forma bem-sucedida, à produção de peças complexas em Gmunden.  A fábrica de Laufen, que já utiliza eletricidade proveniente de fontes renováveis, foi escolhida para a primeira implementação desta tecnologia pioneira por permitir, em especial, o fabrico de produtos de última geração e de alta qualidade. Esta inovação do forno elétrico foi registada pelo Instituto Europeu de Patentes.

Uma vez que o forno é altamente eficiente, neutro em emissões de carbono e automatizado, proporciona uma valiosa alternativa à produção convencional que está dependente dos combustíveis fósseis, e é um marco fundamental para assegurar que, em 2024, Gmunden se torna na primeira fábrica de produção de sanitários com zero emissões do mundo. Este investimento também é fundamental para a estratégia de descarbonização do Roca Group. O Grupo encerrou 2022 com uma redução de 39% nas emissões diretas de CO2 relativamente a 2018, aproximando-se do seu objetivo SBTi (Science Based Targets Initiative) de neutralidade em emissões de carbono até 2045.

Os primeiros resultados do novo sistema mostram um grande potencial para toda a indústria, já que esta nova tecnologia não beneficiará apenas a produção de louça sanitária, como também outros setores da cerâmica, estrutural e técnica ou a louça de mesa. Este forno vem demonstrar que a descarbonização da produção cerâmica, além de ser possível, é também realista e exequível do ponto de vista económico.

Albert Magrans, CEO do Roca Group, declarou: “Temos o objetivo de, a longo prazo, descarbonizar as nossas operações. Temos trabalhado intensivamente para encontrar soluções que nos ajudem a atingir esta meta. Esta nova associação pan-europeia não só nos ajuda no nosso caminho no sentido da redução das emissões para zero, como também é um claro passo em frente para a indústria no seu conjunto”.

Günter Halex, presidente do Conselho Consultivo da Keramischer OFENBAU, acrescentou: “Este forno elétrico demonstra, uma vez mais, que as nossas tecnologias avançadas são adequadas para descarbonizar inclusivamente a indústria cerâmica, intensiva em emissões de CO2. Os nossos fornos de aquecimento elétrico proporcionam uma independência cada vez maior do mercado energético aos nossos clientes, permitindo uma produção sustentável e económica hoje e nas próximas décadas. Este projeto pioneiro e inovador demonstra que a nossa tecnologia pode manter a máxima qualidade nos produtos cerâmicos, enquanto contribui positivamente para preservar o nosso planeta”.

Êxito europeu na produção de cerâmica descarbonizada

Com o Roca Group, com sede em Espanha, a fábrica de Laufen, na Áustria, e a Keramischer OFENBAU, na Alemanha, este projeto conjunto constitui um caso de sucesso europeu rumo a uma produção da indústria da louça sanitária preparada para o futuro global. Para continuar a impulsionar a descarbonização de toda a indústria, é necessário um desenvolvimento intensivo e uma inovação audaz. Através do Roca Group Ventures, a Roca adquiriu uma participação maioritária na Keramischer OFENBAU Holding GmbH, proprietária da Keramischer OFENBAU GmbH, e está a investir na capacidade da empresa para inovar em benefício de toda a indústria cerâmica. O Grupo assume também o compromisso de apoiar a empresa com financiamento adicional para continuar a desenvolver, implementar e comercializar esta tecnologia de vanguarda que moldará o futuro da indústria.

Apesar de os dois negócios continuarem a ser totalmente independentes, esta colaboração reforçará, a longo prazo, as capacidades de inovação de ambas as empresas tendo em conta os respetivos objetivos de descarbonização com uma meta comum: a indústria cerâmica sustentável do futuro.

[1]De acordo com a Cerame-Unie, o número total de emissões do setor da cerâmica na Europa foi de 19 milhões de toneladas de CO2, por ano, o que corresponde a, aproximadamente, 1% do número total de emissões industriais abrangidas pelo comércio de licenças de emissão da UE. O setor dos sanitários representa apenas 2,7% do valor total acima indicado.  https://www.ceramicroadmap2050.eu/chapters/continuing-our-path-towards-climate-neutrality/

 

[1]De acordo com a Cerame-Unie, o número total de emissões do setor da cerâmica na Europa foi de 19 milhões de toneladas de CO2, por ano, o que corresponde a, aproximadamente, 1% do número total de emissões industriais abrangidas pelo comércio de licenças de emissão da UE. O setor dos sanitários representa apenas 2,7% do valor total acima indicado.  https://www.ceramicroadmap2050.eu/chapters/continuing-our-path-towards-climate-neutrality/ 

Partilhar: