O futuro exige casas saudáveis para todos

A InovaDomus – Associação para o Desenvolvimento da Casa do Futuro – apresentou publicamente o novo projeto “Construção Para a Saúde” na Ordem dos Arquitetos, no Porto, na última quarta-feira, dia 28.

“Este projeto tem como objetivo central potenciar, dinamizar e prestar informação ao mercado de como construir casas mais saudáveis. Este é um tema atual que vai dinamizar a economia nos próximos anos; há até quem lhe chame a indústria do futuro: a saúde. E o setor da construção deverá adaptar-se, para assegurar que temos casas mais saudáveis, mais amigas de todos, não só daqueles que estão doentes ou envelhecidos, e que precisam de necessidades especiais para habitarem nas suas casas, mas também de todos aqueles que não estão doentes, mas que beneficiam se viverem num ambiente mais saudável, uma vez que atualmente passamos 90% do nosso tempo dentro de edifícios”, explicou António Oliveira, Presidente da InovaDomus.

“É do conhecimento público que o Estado quer promover a hospitalização domiciliária; compete assim aos diversos ‘players’ criar as condições para que isso possa acontecer em segurança. Especificamente, ao sector da construção, compete-lhe perceber as condições, os produtos e as soluções que podem e devem ser incorporados nas habitações. Após algumas pesquisas, verificámos que a ligação da construção e da saúde, é ainda um tópico a explorar, a nível nacional e europeu”, alertou António Oliveira.

Neste projeto “Construção Para a Saúde”, a Universidade de Aveiro participará com uma equipa multidisciplinar – Departamento de Engenharia Civil, Instituto Superior de Contabilidade e Administração com o NeuroScience Lab, Departamento de Ciências Biomédicas e a Escola Superior de Saúde -, procurando a integração de conhecimento vindo de certificações e normas da saúde e da engenharia, com o foco no desenvolvimento de casas mais saudáveis e em acrescentar valor ao mercado da construção, através do levantamento de informação certificada a aplicar.

A Universidade de Aveiro será responsável pelas ações de ‘benchmarking’ internacional e nacional dos estudos e normas; levantamento, tratamento e produção de informação relevante à regulamentação; apoio científico no tratamento de informação nos eventos e versão preliminar de certificação; e proposta da versão final de contributos recolhidos.

Para Ana Velosa, Pró-reitora da UA, este projeto decorre da “necessidade de desenvolver estratégias para garantir o bem-estar das pessoas no tempo em que desfrutam dos espaços interiores – trabalho, lazer ou outra atividade -, contribuindo para a sua produtividade e satisfação”.

Ao nível do impacto no mercado da construção, Eduardo Leite, Administrador da CARI Construtores, do grupo DST, considerou que a construção para a saúde lança novos desafios e oportunidades, ao nível da modelação da habitação, em função das características físicas e psicológicas associadas ao envelhecimento geracional. “Quem se antecipar ganhará uma clara vantagem competitiva”, concluiu.